Aquicultura: como garantir condições ideais da água?

Aquicultura: como garantir condições ideais da água?

Postado em:

A aquicultura é uma atividade que vem crescendo todos os anos no Brasil. Além de ser uma ótima fonte de renda, é uma alternativa mais sustentável para a pesca comercial. No entanto, a criação de peixes em cativeiro para consumo e para venda exige alguns cuidados. E aí surge a dúvida: como garantir as condições ideais da água do cativeiro?

A qualidade e a temperatura da água são fatores determinantes na hora de garantir uma boa produção de peixes e de moluscos. É por isso que exige tantos cuidados do profissional para que seu negócio mantenha-se saudável e lucrativo. Afinal, qualquer desequilíbrio pode trazer uma considerável diminuição na produtividade. Quando tratamos das condições ideais da água, incluem-se todas as características físicas, químicas e biológicas que influenciam o desempenho da produção. Entenda melhor a seguir quais são elas.

Fatores que influenciam as condições ideais da água

Segundo o Sebrae, que produziu um conteúdo especial sobre aquicultura, os seis fatores a seguir são determinantes para que você consiga as condições ideais da água para a sua produção. Confira:

1. Temperatura

É um dos principais fatores limitantes para a produção de peixes tropicais. Como eles são pecilotérmicos, ou seja, têm a temperatura corporal variando de acordo com a temperatura da água, é preciso ficar atento a esse aspecto.

De modo geral, as espécies de peixes nativos toleram temperaturas entre 22 ºC e 32 ºC, sendo ideal a faixa de 24 ºC a 30 ºC. Também é importante que não haja uma grande variação ao longo do dia.

2. Transparência

A vida dentro da água depende de luz. Por isso, se a transparência mostrar-se reduzida e a luz não conseguir penetrar, não haverá calor nem condições necessárias para o desenvolvimento do fitoplâncton – que está diretamente ligado à produção de oxigênio.

3. Oxigênio

A quantidade de oxigênio é a variável mais crítica da qualidade da água. Por isso, é medida em miligrama por litro. Ela varia conforme a temperatura, a altitude e a salinidade. Quanto maior for a altitude ou a temperatura, menor será o nível de saturação de oxigênio.

Os organismos aquáticos têm tolerâncias mínimas e máximas variáveis de teores de oxigênio dissolvido. Os peixes tropicais, por exemplo, exigem concentração acima de 5 mg/l. Níveis abaixo de 3 mg/l podem causar estresse e incidência de doenças.

4. Dióxido de Carbono

Essa substância concentra-se na água na forma de gás dissolvido, bicarbonatos e carbonatos. A formação desse gás é diretamente relacionada à respiração de algas, peixes e à própria decomposição de matéria orgânica.

5. pH

O pH fornece o grau de acidez da água, o qual pode variar de 0 (ácido) a 14 (básico). O pH 7 é considerado neutro e é ideal para a produção de peixes, podendo variar entre 6,5 e 8. Valores de pH menores que 4 ou maiores que 11 podem comprometer algumas espécies de peixe.

6. Amônia

A amônia encontra-se na água sob duas formas: ionizada e não ionizada (sendo a segunda a mais tóxica). O equilíbrio entre as duas é regulado diretamente pelo pH e pela temperatura, mas a sua presença deve-se principalmente à excreção dos peixes e aos alimentos não consumidos.

Esses são os fatores mais críticos que devem ser observados para que as condições da água do seu viveiro sejam ideais, segundo o Sebrae. Além disso, a água deve ser periodicamente analisada. Só assim será possível evitar problemas ou procurar soluções para possíveis desequilíbrios.

Como se pode perceber, a aquicultura requer conhecimentos específicos para garantir a saúde e a produtividade do seu cativeiro. Se você tiver dúvida, atualmente já existem empresas especializadas no setor que podem oferecer consultoria e soluções para o seu negócio. A Alfakit é uma delas. Conheça nossos produtos e garanta condições ideais da água!

 

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *